OP CRIANÇA
O OP Criança tem como diretriz básica o estudo coletivo da realidade local articulando com o currículo desenvolvido na escola.

No Brasil, as experiências de democracia participativa são contemporâneas às da luta pelo reconhecimento dos direitos e da cidadania da infância e juventude. A aprovação de legislação específica e a Convenção Internacional dos Direitos da Criança da ONU são duas sinalizações e orientações nítidas. Houve, a partir de então, grande avanço na compreensão da condição de crianças e adolescentes e práticas e modelos curriculares que desenvolvessem valores morais, práticas solidárias e coletivas e regras de comportamento social e democrático. Parte desta cultura educativa passou a ser denominada de educação para a cidadania.

O OP Criança tem como diretriz básica o estudo coletivo da realidade local articulando com o currículo desenvolvido na escola. Não se trata, portanto, de um programa curricular ad hoc ou complementar, mas um programa catalisador dos conteúdos apreendidos em sala de aula, com aplicação prática na vida do município.
Para tanto, os alunos, uma vez por semana, estudam métodos de pesquisa, sistematizam dados coletados e aprofundam conhecimentos para definir soluções a partir de seu nível de conhecimento e desenvolvimento.

O Orçamento Participativo Criança nasceu no bojo desta reflexão e se espraiou pelo país todo, tendo como origem as experiências de São Paulo e Recife, mas logo se multiplicando em país afora como Fortaleza e Governador Valadares, ou adotando modalidades similares como OP Jovem (Rio das Ostras, RJ), Projeto Pequeno Cidadão (São Carlos, SP).